Tem Menina no Circuito


Deixe um comentário

Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência

Desde 2016, a ONU e a UNESCO decidiram que 11 de fevereiro é o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência. Essa data tem por objetivo não só homenagear, mas também destacar a importância que as mulheres têm no meio científico e tecnológico.

Apesar de as mulheres representarem cerca de 23,5% de pessoas com ensino superior (tendo como base a população com uma idade ativa) – enquanto os homens representam 20,7% -, há uma diferença na renda recebida entre os dois gêneros.

Saindo um pouco da atualidade dá para ver que essa disparidade não é coisa do mundo contemporâneo. Você, leitor, já ouviu falar de Hipátia, Rosalind Franklin ou Mileva Maric? Elas foram cientistas incríveis! Uma foi, provavelmente, a primeira matemática da história, que, além de outras descobertas, criou instrumentos (o astrolábio, por exemplo), mas foi assassinada; outra, descobriu a estrutura da molécula de DNA, mas teve seu trabalho roubado por um aluno que ela orientava (o qual ganhou o Nobel pela descoberta dela); e outra contribuiu integralmente para a Teoria da Relatividade de Einstein, mas não teve seu nome na pesquisa nem reconhecimento por essa.

O que foi exemplificado acima mostra que a existência dessa data não é mera criação comercial ou propagandística, mas sim uma necessidade, porque, mesmo com três anos de sua criação [da data], a desigualdade de gênero na ciência (não apenas nessa área) continua presente.

Contudo, o projeto “Tem Menina no Circuito” é um feito de inclusão pela ciência, alcançando meninas de ensino médio. Além desse, coexistem outros projetos no Brasil e no mundo que têm o mesmo objetivo. Sendo assim, podemos pensar que nem tudo está perdido; e, para ilustrar um pouco essa esperança, vamos mostrar quem são as mulheres cientistas desenvolvedoras do projeto, assim como as alunas aspirantes a cientistas que fazem parte dele:

  • Thereza Lacerda Paiva – doutora em Física pela UFF; possuiu dois pós-doutorados; pesquisa supercondutividade e outras áreas; e, atualmente, é professora da UFRJ;
  • Elis Helena Sinnecker – doutora em Física pela UNICAMP; possuiu dois pós-doutorados; pesquisa propriedades físicas de metais e ligas e afins; atualmente, é professora da UFRJ;
  • Tatiana Gabriela Rappoport – doutora em Física pela UFRJ; possuiu dois pós-doutorados; pesquisa, principalmente, propriedades quânticas de materiais; atualmente também é professora da UFRJ;
  • Gabriella Galdino da Silva – graduanda em Física pela UFRJ; participou do projeto nos anos iniciais; hoje, está na faculdade e é monitora do projeto;
  • Mylena Larrubia Araujo – graduanda em Astronomia pela UFRJ; é aluna de extensão do projeto e escreve para o blog;
  • Mayra Meirelles Marques – graduanda em Física pelo CEDERJ (UFRJ); é monitora do projeto;
  • Julia da Silva Santos – graduanda em Engenharia Química pela UFRJ; é monitora do projeto;
  • Ana Carolina Oliveira – graduanda em Física pela UFRJ; é aluna de extensão do projeto;
  • Carolina França – graduanda em Matemática pela UFRJ; é aluna de extensão do projeto;
  • Eliane Dias – graduanda em Física Médica pela UFRJ; é aluna de extensão do projeto;
  • Thais Teles – graduanda em Física Médica pela UFRJ; é aluna de extensão do projeto;
  • Isabella Rocha – graduanda em Física Médica pela UFRJ; é aluna de extensão do projeto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para mais do que foi citado acima, a matéria desse site sobre o Nobel da Física de 2018 fala um pouco mais sobre desigualdade de gênero na ciência(https://temmeninanocircuito.wordpress.com/2018/10/03/por-que-tem-menina-no-circuito-discussao-sobre-nobel-de-fisica-2018/).

 

Referências:

https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/multidominio/genero/20163-estatisticas-de-genero-indicadores-sociais-das-mulheres-no-brasil.html?=&t=o-que-e

 

Anúncios


Deixe um comentário

Mecânica em papel

As meninas não estão só no circuito; nós estamos em todas as áreas da Física (e no que não é Física também haha).

Bem, o projeto está se estendendo e a nossa novidade de 2018 foi a mecânica em papel. Ainda não fizemos muitas coisas com isso, mas, durante a Copa do Mundo, por exemplo, ocorreram várias oficinas na Casa da Ciência e no Museu do Amanhã.

Essa nova atuação consiste em explorar os mecanismos de movimento usando papelão – o que é uma ótima alternativa sustentável, já que reaproveitamos papelões que seriam jogados no lixo. Isso é muito bom para ser usado em atividades escolares, recolhendo papéis e papelões dos próprios alunos.

Além dos papelões são usadas “bailarinas” (colchetes), que são encontradas em qualquer papelaria. Elas servem para conectar um pedaço de papel a outro sem os colar, permitindo o movimento entre eles.

Já começamos a testar a junção entre a mecânica e os circuitos. Fiquem de olho para saberem quais serão as próximas oficinas!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Infelizmente, não conseguimos inserir um vídeo. Então, confira nosso instagram para vê-lo: https://www.instagram.com/temmeninanocircuito .


Deixe um comentário

Tem menina nas redes sociais

E aí, está gostando do nosso site? Mas não tem só ele não!

Segue nosso Instagram (https://www.instagram.com/temmeninanocircuito/) e curte nossa página lá no Facebook (https://www.facebook.com/temmeninanocircuito/). Cada rede social tem um tipo de conteúdo diferente, todos focados no mesmo assunto: meninas na ciência.

Por exemplo, no Facebook compartilhamos várias notícias de meninas que estão alcançando destaque e também sobre inovações. No Instagram, normalmente, postamos os eventos nos quais o projeto participa, assim como trabalhos feitos por quem vai nas oficinas. Já esse site que você está lendo, além de falar sobre essas coisas citadas, é focado em tutoriais/explicações de como fazer alguma coisa e “o que é”.

Aproveite todo nosso conteúdo!

Divulgação (mídias sociais).


Deixe um comentário

Semana das Meninas e Mulheres na Ciência

De 5 a 9 de novembro desse ano estivemos na Semana das Meninas e Mulheres na Ciência (http://mmciencia.com.br/), realizada na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Recebemos jovens de diferentes idades: do ensino fundamental ao ensino médio. Foi ótimo ver crianças se interessando pelas oficinas e, ainda mais, entendendo muito bem a explicação do que faziam.

Confira abaixo partes do que aconteceu durante o evento:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 


Deixe um comentário

Como fazer um circuito com som

Os circuitos que fazemos convertem a energia elétrica das baterias (fonte) em outra forma de energia. Os circuitos que usam LED transformam em energia luminosa, como já foi explicado em outra matéria do site (https://temmeninanocircuito.wordpress.com/2018/05/31/o-que-e-um-circuito-eletrico/); já o que explicaremos a seguir, tem a conversão em energia sonora.

O bom desse tipo de circuito é que, no nosso exemplo, dá uma alternativa para quem não tem fio de cobre. Nele usamos clips, que são encontrados em qualquer papelaria, para fazerem o papel de meio condutor. Enquanto o LED é substituído por um Buzzer (peça que funciona como uma “sirene”), que pode ser encontrado na internet custando menos de dois reais a unidade. Ele tem “perninhas”: a que está no lado em que aparece o sinal de + é a positiva e a outra, a negativa (veja as imagens para entender melhor).

Este slideshow necessita de JavaScript.

O processo de montagem desse circuito é simples: usamos como base um papelão; nele, fixamos “bailarinas” (colchetes), aquela peça de metal que tem “pernas” para serem fixadas (são encontradas facilmente em papelarias, veja imagem para saber o que são); os clips (material condutor) são presos nos colchetes, de preferência formando um desenho criativo; então, nos atentando aos pólos positivo e negativo (também explicado na postagem “O que é um circuito elétrico”) colocamos a bateria, em contato com o clips, num lado e o buzzer na parte de trás do papelão, mas na outra ponta do circuito, enquanto as “perninhas” dele ficam no lado da frente (lado do desenho), fechando o circuito. Assim, toda vez que o último clips encostar na “perninha” do buzzer, será emitido o som.

OBS.: infelizmente, não conseguimos anexar o vídeo para ouvirem, mas olhe nosso Instagram para visualizá-lo, nesse link: https://www.instagram.com/p/Bpp0Pbol5JQ/?hl=pt-br&taken-by=temmeninanocircuito


1 comentário

Por que tem MENINA no circuito? (Discussão sobre Nobel de física 2018)

Ontem, dia 2 de outubro, foi liberada a notícia sobre quais são os ganhadores do prêmio Nobel de física desse ano. O mais curioso não foi a pesquisa dos ganhadores, mas sim o fato de a pesquisadora entre esses ser apenas a TERCEIRA mulher a conseguir tal prêmio (além de isso acontecer só depois de 55 anos em que a segunda ganhou). Isso diz muito sobre a sociedade em que vivemos, onde meninas e mulheres, apesar de conseguirem fazer trabalhos tão fantásticos quanto os dos homens (e, por vezes, até mais fantásticos) serem subjugadas.

Visto isso, cabe a discussão do porquê de o projeto desse blog ser focado em meninas. Normalmente, elas não são encorajadas a estudar, pois são vistas como pessoas que têm que cuidar da casa, do parceiro e afins. E ainda, as que estudam, são quase forçadas a trabalharem nas áreas de “cuidados com outros”, como enfermagem, por exemplo. Então, as poucas que conseguem se dedicar à área que gostam, seja essa na ciência ou não, percorrem um caminho cheio de obstáculos só por conta de seu gênero; muitas vezes são desacreditadas, mesmo tendo boas pesquisas, e são vistas como menos inteligentes que os homens da mesma atuação.

O projeto “Tem menina no circuito” veio para incentivar adolescentes do ensino médio a conhecerem a ciência. O que não as obriga a seguirem essa área, mas as faz ter direito de escolha com um conhecimento mais amplo de outra perspectiva não muito comum. Por exemplo, já teve menina que participou ativamente do projeto e está fazendo Letras na faculdade. E isso é ótimo! A questão é mostrar coisas novas para as meninas; é não perder uma futura cientista só porque, por conta da precária educação brasileira e dos preconceitos sociais, ela não sabia o que é ciência.